Um Testemunho para reflexão

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Um Testemunho para reflexão


Renan Almeida

“Louvarei a Jeová durante a minha vida; cantarei louvores ao meu Deus enquanto eu for vivo [...]. Bem aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio e cuja esperança está posta em Jeová, seu Deus [...]. Jeová abre os olhos aos cegos; Jeová ama os abatidos; Jeová ama os justos [...]” (Sl 146: 2,5,8 – ACF 2007 adaptada)

Muitos cristãos tem o costume de dizer “Senhor te louvarei enquanto eu viver”, mas isso nada mais é, muitas vezes, do que discurso político, pois os mesmos que dizem isso são os primeiros a murmurarem e se desviarem da presença do Deus altíssimo que reina e vive para sempre. Ao Senhor Jeová sejam dados honra, Glória e Louvor.

Os neopentecostais produziram uma “doutrina” que diz que Deus não é glorificado na doença, mas apenas na saúde... eu discordo disso! Me deparo com a verdade bíblica de que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus... todo sofrimento humano possui um fim... para alguns a morte (que é o melhor momento do cristão, pois se encontrará com seu Deus), para outros a restauração (recompensa pelo vigor na provação)... mas em ambos os casos Deus é glorificado.
Se Deus é glorificado naqueles que se salvam e nos que perecem, porque não o seria também na doença de um dos seus servos? Porventura sabes como Deus opera (Jó 37:15)? Eu não sei e continuarei, por toda minha vida, sem saber...mas, ainda assim, confiarei em meu Deus...
  
A minha História...

Querido leitor, que a graça e a paz de nosso Bom Deus e Pai te sejam acrescentadas abundantemente. Meu nome é Kássya* e quero por meio desse texto falar acerca do meu testemunho de vida, isto é, como Deus é incompreensível em suas atitudes, mas perfeito em seus projetos...

Eu fui chamada por Cristo para fazer parte do seu reino em 1992, estava feliz e radiante como é “de lei”...  algum tempo depois Deus me concedeu o presente mais importante que tenho nessa terra ...  Um filho varão. O nome dele? Renan Almeida, um dos editores desse blog. Na época eu contava com apenas 22 anos de idade.

Podia dizer que minha vida estava completa. Eu tinha acabado de ter um filho, havia me tornado cristã há pelo menos 1 ano, já era dirigente de círculo de oração... mas como todos, nós nunca esperamos pelos problemas! Basta a cada dia o seu mal...

Alguns anos  depois eu fiquei enferma e nenhum dos médicos do Rio de Janeiro, sem exceção, descobriram qual a doença que existia em meu corpo, sendo que dia após dia, o meu quadro se agravava. Eu já não podia andar mais, era carregada pelos braços dos outros, não comia, nem bebia... era quase que uma espécie de “vegetal”.

Algum tempo depois, não mais no Rio de Janeiro, fui a um médico gástrico... médico esse que, pela misericórdia de Deus,  descobriu que eu sofria com hemorragia interna 24 horas por dia, sendo esse o motivo básico do meu estado debilitado. A constatação do médico foi que eu deveria ser operada com urgência, mas antes de me operar, pela gravidade do problema... ele olhou para mim e disse:

“Você tem família?”
“Tenho doutor” – respondi prontamente
“Então vá e se despeça de sua família e depois eu te operarei” – Essa foi a dura e sincera resposta daquele médico.

Mas, apesar daquele veredicto médico coberto de um certo “eufemismo”, não perdi a minha fé, pois eu já sabia (e sei) que o meu Redentor Vive e que Ele tinha (e tem) poder para se levantar em favor dos seus [deles]. Apesar da urgência em ser operada, eu fiquei no corredor do hospital, em uma maca, durante um prazo de 28 dias. Quem olhava para mim poderia dizer “é uma caveira”, eu já estava, inclusive, perdendo minha visão.

Após esses 28 dias de espera, finalmente fui internada devidamente. Durante toda a noite de internação estive recebendo transfusão de sangue, para que pela manhã, do dia seguinte, eu fosse finalmente operada. Minha família foi desenganada pelo médico. Ele deixou claro que ele me operaria por ser dever dele lutar para salvar vidas, mas que da 00:00 h (meia noite)  eu não passaria, isto é, certamente morreria.

A cirurgia teve inicio às 10:00 e finalizou as 17:00 (7 horas durou o processo). Meia noite daquele mesmo dia, o médico foi me visitar e perguntou à enfermeira:

“Ela ainda está viva?”
“Sim Doutor “ – respondeu a enfermeira
“Ela ainda está viva” – ele disse surpreso – “Então, ela ainda vai viver muito”...

Após 45 dias decorridos daquela cirurgia, chegou o momento de fazer a revisão e tive mais uma horrível notícia. A Biopsia do tecido retirado do estômago estava com um câncer agressivo, sendo então obrigada a iniciar um tratamento com quimioterapia. É nessas horas que vejo soar em nossos ouvidos que o justo viverá da fé e  que se o justo recuar, Deus não tem prazer nesse individuo...  É muito fácil crer quando a saúde está perfeita, e quando tudo corre as “mil maravilhas”... mas e quando o seu “mundo desmorona”... você teria fé? Só para constar, do meu estômago haviam sido retirados mais de 20 tumores malignos.

Falo como mãe, que a única coisa que me dava forças para continuar lutando era o fato de o meu filho ser ainda uma criança. Quando eu fiquei doente, ele tinha menos de 5 anos e quando passei por essa cirurgia ele tinha por volta dos 7 .

Meu cabelo era relativamente grande, abaixo da minha cintura. Na primeira sessão de quimioterapia, todo o meu cabelo caiu... mas o meu filho me dava carinho. Todos me abandonaram por causa da doença, a começar pelo meu marido, mas não murmurei... eu ia continuar batalhando para viver.
Hoje, posso dizer que estou 100% curada. Cristo fez esse milagre. Você pode ser um “cético” e dizer “ teve que fazer a cirurgia? Então não é milagre!”... é milagre sim, seu  incrédulo. Eu tinha somente até a 00:00 h de vida, mas já se passaram 10 anos que o médico deu esse veredicto.

Vejo as mãos de Deus em cada “trecho” da minha dor... vejo como ele usou de sua magnitude para me ensinar e para que o nome dEle fosse glorificado. A única coisa que às vezes, ainda me entristece, é o fato de meu filho não ter tido uma infância, teve que aprender a ser responsável cedo. Ele é quem toma conta de mim, é meu acompanhante em qualquer lugar onde vou... e me alegro, porque apesar de até mesmo minha família ter virado as costas para mim, o meu filho jamais se envergonhou desta que vos fala... até nisto eu vejo a mão de Deus, no fato de ele (Renan) ser o meu filho.

Muitos pensavam que eu me mataria por causa daquela doença, mas para que me preocupar com tal? Cristo é o meu Redentor e sei que Ele vive. Cristo é glorificado em todas as situações, pois fato é que as coisas ocorrem em nossas vidas por vontade absoluta ou permissiva de Deus, mas em ambos os casos é Deus quem dá a resposta final...

Existem 4 verdades básicas e essenciais na fé cristã: Jesus Cristo Salva, Cura, Batiza no Espírito Santo e um dia retornará a essa terra para levar os seus eleitos para morar com Ele. Eu já vi as 3 primeira realidades cumpridas em minha vida... Deus é fiel em seus planos. Só para constar: Todos os meus familiares, inclusive os que se afastaram de mim, quando me viram bem, reconheceram que só um milagre de Deus para me livrar da morte e todos se converteram ao Senhor Jesus Cristo. Isso é a mão de Deus... AGINDO DEUS QUEM IMPEDIRÁ? PORVENTURA SABES COMO DEUS OPERA?





Kássya
* Escrita do nome da autora modificada.
* O Testemunho é original e autêntico, sendo que, toda a documentação médica encontra-se em mãos para provar a qualquer cético o milagre de Deus.
* O Testemunho na integra foi relatado por Kássya, sendo que Renan Almeida (um dos editores desse blog) harmonizou a escrita com as regras formais da língua portuguesa, evitando, ao Maximo, a dificuldade do uso de expressões pouco conhecidas. No nível de formalidade, Renan Almeida, optou pelo meio termo.



Artigo publicado originalmente no blog Pelas Escrituras no dia 09/08/10

Um comentário :

  1. A Paz e graça do Senhor Jesus, irmão Renan...

    Vi seu blog na comunidade da ube no orkut. Já estou seguindo e aceito a parceria. Já colei o seu banner no meu blog. Aguardo o mesmo.

    Deus é conosco, amigo.

    www.oguardadeisrael.blogspot.com

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!