Um Chamado para um Cristianismo de Riscos


Jonh  Piper

Removendo o risco eterno, Cristo chama Seu povo para um contínuo risco temporal.

Para os seguidores de Jesus, o risco final já se foi. “Agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1). “Nem a morte, nem a vida... poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 8:38-39). “Matarão alguns de vós... Mas não perecerá um único cabelo da vossa cabeça” (Lucas 21:16,18). “Quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá” (João 11:25).

Quando a ameaça de morte se torna uma porta para o paraíso, a barreira final para o risco temporal é quebrada. Quando um cristão diz de coração “Viver é Cristo e morrer é lucro,” ele é livre para amar sem condições. 

Algumas formas de Islã radical podem atiçar mártires-assassinos com sonhos semelhantes, mas a esperança Cristã é o poder de amar, não de matar. A esperança Cristã produz doadores de vida, não tomadores de vida. O Cristo crucificado chama seu povo para viver e morrer por seus inimigos, como ele o fez. Os únicos riscos permitidos por Cristo são os perigos do amor. “Amai a vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, bendizei os que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam” (Lucas 6:27-28).

Com aterradoras promessas de eterno gozo, Jesus liberou um movimento de radicais e amorosos tomadores de risco. “E até pelos parentes sereis entregues... e matarão alguns de vós” (Lucas 21:16). Apenas alguns. Isso significa que pode ser você e pode não ser. É isso o que risco significa. Não é arriscado dar um tiro na própria cabeça. O resultado é certo. É arriscado servir a Cristo em uma zona de guerra. Você pode levar um tiro. Pode não levar.

Cristo nos chama a tomar riscos para propósitos do reino. Quase toda mensagem do consumismo americano diz o oposto: Maximize o conforto e a segurança – agora, não no céu. Cristo não se une a esse coro. Para cada tímido santo vacilando na beira de alguma perigosa ousadia no evangelho, ele diz: “Não tema, você pode apenas ser morto” (Lucas 12:4). Sim, de todas as formas maximize teu gozo! Como? Por amor, arrisque ser vituperado e perseguido e caluniado, “porque grande é tua recompensa nos céus” (Mateus 5:11-12).

Há um grande legado bíblico de amorosos tomadores de riscos.

Joabe, encarando os Sírios de um lado e os Amonitas de outro, disse ao seu irmão Abisai, “Sejamos corajosos pelo nosso povo... e faça o SENHOR o que bem parecer aos seus olhos” (2 Samuel 10:12). Ester quebrou a lei real para salvar seu povo e disse, “Se eu perecer, pereci” (Ester 4:16). Sadraque e seus camaradas recusaram se curvar ao ídolo do rei e disseram, “Nosso Deus, a quem servimos, é que pode nos livrar... E, se não, fica sabendo ó rei, que não serviremos a teus deuses” (Daniel 3:16-18). E quando o Espírito Santo disse a Paulo que em cada cidade prisões e aflições o esperavam, ele disse: “Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira” (Atos 20:24).

“Cada Cristão,” disse Stephen Neil sobre a igreja primitiva, “sabia que mais cedo ou mais tarde ele deveria testemunhar sobre sua fé ao custo de sua vida” (A History of Christian Missions, Penguin, 1964, p. 43). Isso era normal. Tornar-se cristão era um risco para sua vida. Dezenas de milhares fizeram isso. Por quê? Porque fazê-lo era ganhar Cristo, e não fazê-lo era perder sua alma. “Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.” (Mateus 16:25)

Na América e ao redor do mundo, o preço de ser um Cristão verdadeiro está subindo. As coisas estão voltando ao normal nesta “presente era maligna.” Cada vez mais 2 Timóteo 3:12 vai fazer sentido: “E também todos os que querem viver piedosamente em Cristo Jesus padecerão perseguições.” Aqueles que fizerem do risco do evangelho uma estilo de vida voluntário estarão mais prontos quando não tivermos escolha. Portanto eu exorto você, com as palavras da igreja primitiva, “Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.” (Hebreus 13:13-14).

Quando Deus todo risco acima retirou

Ele mil riscos de amor libertou

Pastor John

Share on Google Plus

About Associação Reformada Palavra de Restauração

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!