I Tessalonicênses - Uma Introdução

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

I Tessalonicênses - Uma Introdução


Fabio Farias


"Sabendo, amados irmãos, que a vossa eleição é de Deus. Porque o nosso Evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo, e em muita certeza, como bem sabeis quais fomos entre vós, por Amor a vós."
(I Ts 1.4-5 - ARC 1978)


Esta carta foi escrita num período em que Paulo encontrava-se em Atenas (I Ts 3.1), cansado por causa das muitas perseguições e debates em Filipos, Tessalônica, Beréia (I Ts 2.2) e inclusive em Atenas (At 17.22-33). Nesse período turbulento de sua vida, Paulo, o apóstolo dos gentios, mergulha no Amor Divino (que é dom de Deus, o qual ninguém pode praticar, senão aquele a quem Deus concedeu segundo Sua vontade), na gratidão a Deus em relação aos frutos que estavam sendo gerados em Tessalônica e na Graça Futura que havia de trazer redenção para ele (que estava cansado e perseguido) e para seus discípulos em Tessalônica (que estavam sendo perseguidos, e alguns mortos), como ele afirma em I Ts 4.17-18. A Carta aos Tessalonicenses é uma demonstração prática do Amor que Jesus ensinou sendo aplicado no meio da Igreja e da alegria sobrenatural em meio as perseguições.

A Carta aos Tessalonicenses é um testemunho do Espírito Santo acerca de como fala e age um homem que vive em Cristo, onde tribulação e prosperidade são apenas insignificâncias, onde a unica certeza que temos e o único "estado de prazer" é a Soberania de Deus sobre todos os traços da Vida, onde todas as coisas (o sofrimento, a alegria, a pobreza, a prosperidade, a depressão, a euforia...)  cooperam para o bem daqueles que O amam (I Ts 1.6, II Tm 3.12, Rm 3.28)

A Carta aos Tessalonicenses é um testemunho do Espírito Santo acerca de uma igreja que tem como obras não os números, os milagres ou as ações sociais e sim o Amor, a Paciência e a Esperança (I Ts 3.3). Uma igreja que não é fundada pela força e o esforço do ser humano, não é baseada na compreensão psicológica (isto é, condicionada as necessidades, falhas, anseios e egoísmos da desventurada alma humana) de um sistema  filosófico como ensinam os arminianos, mas sim no poder de Deus, segundo Sua Eleição (I Ts 3.4). (Afinal, o verdadeiro Avivamento é gerado unicamente no coração de Deus segundo o Seu Poder e não na angustia humana por resultados.) Uma igreja que não tem como bandeira valores morais ou democráticos, e sim o Evangelho como mensagem de Deus para a humanidade (I Ts 4.1-12): sem mascaras, sem roupagens, sem barganhas; simplesmente como a pregação acerca do Cristo crucificado e Seu Amor para conosco... (I Co 1.23a) 

Amor este que se assemelha a uma nascente no qual todos os rios do mundo transbordam impetuosamente por todo o mundo (quem pode conceber tal coisa?!). Qual o nome desses rios? Perdão, Redenção, Esperança, Esforço, Caridade...!!!

A Carta aos Tessalonicenses é o testemunho de uma Fé que não se baseia apenas naquilo que Deus porventura tenha dado no passado. Afinal, a gratidão pelas bençãos passadas, em seu interior na verdade é barganha... Barganha com Deus! A Fé apostólica é a que se auto-alimenta baseado na esperança naquilo que está por vir: O Dia do Senhor, o Dia de Cristo! (I Ts 4.14) Uma Fé que quebra a lógica religiosa e promove uma realidade totalmente sobrenatural: a realidade onde a nossa Fé em Cristo tem por base aquilo que Cristo fará por nós mesmo que não saibamos (Hb 11.1). 

Loucura? Isso é estar em Cristo, e ter total submissão a Soberania de Deus. Como é miserável o homem que se aflige com as tristezas e angustias e simplesmente não descansa na Soberania dAquele... Que É! Minha Fé, que é a mesma de Paulo e a dos Tessalonicenses, é de fato Fé exatamente por isso: Por ser uma loucura (I Co 1.23b)

Portanto, amados, o que me resta é dizer: Leia I Tessalonicenses. Leia de verdade, medite, e leia tendo em mente essas coisas que pronunciei aqui. Será um dos maiores prazeres da sua vida, pois bem aventurado é aquele que se deleita mais na Palavra do que no Pão, pois o Pão passará, mas a Palavra é Eterna.




Publicado originalmente no blog Pelas Escrituras. Futuramente seria objeto da minha primeira devocional na 2ª Igreja Presbiteriana de Saracuruna.

Um comentário :

  1. Paz Fábio amado,
    Não resisto a dizer que essas linhas muito me emocionaram, que pode-se perceber que foram escritas inspiradas pelo Santo Espírito,desejo que o nosso Pai continue abençoando ricamente sua vida em Cristo.
    A pregação da cruz é loucura mesmo,é só para quem de fato ama ao Senhor, e recebe o dom da fé que salva pela graça Soberana.
    Graça e paz sempre!!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!